Sistema de Indicadores de Qualidade Ambiental Urbana para Metrópoles Costeiras (SIMeC): uma proposta de instrumento de análise territorial

Nilton Manoel Lacerda Adão, Marcus Polette

Resumo


O presente artigo apresenta um Sistema de Indicadores de Qualidade Ambiental Urbana para Metrópoles Costeiras (SIMeC) como proposta de instrumento de análise territorial no processo de gestão costeira integrada. Para tanto, na pesquisa, foram elencados e analisados 1.133 indicadores, provenientes de 22 sistemas nacionais e internacionais. Desse grupo, foram selecionados indicadores avaliados por especialistas residentes nos Estados costeiros brasileiros. Ao final, o estudo obteve 69 identificadores conexos às dimensões da prosperidade urbana: infraestrutura, inclusão e equidade social, qualidade de vida, produtividade e sustentabilidade ambiental, que foram aliados à estrutura DPSIR, isto é, Drivers–Pressures–State–Impacts–Responses. Como resultado, o sistema de indicadores mostrou-se consistente, sendo uma contribuição passível de replicação nas metrópoles costeiras brasileiras. Assim, o uso desses indicadores pode ser um instrumento de tomada de decisão na gestão integrada da zona costeira, constituindo um relatório de qualidade ambiental que possibilitará, além da análise territorial local específica, a comparabilidade com outras regiões costeiras.

Palavras-chave


indicadores; metrópoles; metrópoles costeiras; qualidade ambiental urbana.indicadores; metrópoles; metrópoles costeiras; qualidade ambiental urbana.

Referências


ACSELRAD, H. Discursos da sustentabilidade urbana. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, n. 1, p. 79-90, maio 1999. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.1999n1p79

BELL, S. DPSIR: A Problem Structuring Method? An exploration from the “Imagine” approach. European Journal of Operational Research, v. 222, n. 2, p. 350-360, out. 2012. http://dx.doi.org/10.1016/j.ejor.2012.04.029

BELLEN, H. M. Van, Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 28., 2004, Curitiba. Anais do 28º Enanpad.Curitiba: ANPAD, 2004. Disponível em: < http://www.anpad.org.br/diversos/trabalho/EnANPAD/enanpad_2004/GSA/2004_GSA569.pdf >. Acesso em: 15 abr. 2016.

BIDONE, E. D.; LACERDA, L. D. The use of DPSIR framework to evaluate sustainability in coastal areas. Case study: Guanabara Bay basin, Rio de Janeiro, Brazil. Regional Environmental Change, v. 4, n. 1, p. 5-16, mar. 2004. http://dx.doi.org/10.1007/s10113-003-0059-2

BONAIUTO, M. et al. Perceived Residential Environment Quality Indicators (PREQIs) relevance for UN-HABITAT City Prosperity Index (CPI). Habitat International, v.45, n. 1, p. 53-63, jan. 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.habitatint.2014.06.015

CARR, E. R. et al. Applying DPSIR to sustainable development. International Journal of Sustainable Development & World Ecology, v.14, n.6, p. 543-555, 2007. http://dx.doi.org/10.1080/13504500709469753

ERKIP, F., KIZILGUN, Ö.; AKINCI, G. M. Retailers’ resilience strategies and their impacts on urban spaces in Turkey. Cities, n.36, p. 112-120, fev. 2014. http://dx.doi.org/10.1016/j.cities.2012.12.003

GROSTEIN, M. D. Metrópole e expansão urbana: a persistência de processos” insustentáveis”. São Paulo em perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 13-19, jan./mar. 2001. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-88392001000100003

JANNUZZI, P. M. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, p. 51-72, jan./fev. 2002. Disponível em: < http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewArticle/6427 >. Acesso em: 20 nov. de 2015.

KARAGEORGIS, A. P. et al. Impact of 100-year human interventions on the deltaic coastal zone of the inner thermaikos gulf (Greece): a DPSIR framework Analysis. Environmental Management, v. 38, n. 2, p. 304-315, ago. 2006. http://dx.doi.org/10.1007/s00267-004-0290-8

LIN, T.; XUE, X. Z.; LU, C. Y. Analysis of coastal wetland changes using the “DPSIR” model: a case study in Xiamen, China. Coastal Management, v.35, n.2-3, p. 289-303, 2007. http://dx.doi.org/10.1080/08920750601169592

LOUETTE, A. Compêndio para a Sustentabilidade. 2. ed. São Paulo: Antakarana, 2008.

MINAYO, M. C. S. Construção de Indicadores qualitativos para Avaliação de Mudanças. Revista Brasileira de Educação Médica, v.33, n.1, p. 83-91, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/s0100-55022009000500009

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Gerenciamento Costeiro no Brasil. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/gestao-territorial/gerenciamento-costeiro > Acesso em: 13 fev.2015.

MOURÃO, I.et al. Application of the DPSIR model to the Sado Estuary in a GIS context– Social and Economical Pressures. In:CONFerence on Geographic Information Science, 7., 2004, Creta. Proceedings of 7th Conference on Geographic Information Science.Creta: Crete University Press, 2004. p. 391-402. Disponível em: < https://agile-online.org/Conference_Paper/CDs/agile_2004/papers/4-3-2_Caeiro.pdf >. Acesso em: 10 nov. 2015.

NAIR, R. S.; BHARAT, A.; NAIR, M. G. DPIRS Framework for Sustainable Development of Coastal Areas. Bonfring.International Journal of Industrial Engineering and Management Science, v. 2, n. 4, p. 117-124, dez, 2012. http://dx.doi.org/10.9756/bijiems.1746

NICOLODI, J. L.; ZAMBONI, A. J.; BARROSO, G. F. Gestão integrada de bacias hidrográficas e zonas costeiras no Brasil: implicações para a Região Hidrográfica Amazônica. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 9, n.2, p. 9-32, 2009. http://dx.doi.org/10.5894/rgci115

ORNSTEIN, S. W.; BRUNA, G. C. Uma abordagem interdisciplinar: avaliação pós-ocupação e impacto ambiental. In: ALBUQUERQUE, J.L. Gestão ambiental e responsabilidade social: conceitos, ferramentas e aplicações.São Paulo: Atlas, 2004. p. 1001-1018.

PEANO, A.; BOTTERO, M.; CASSATELLA, C. Proposal for a Set of Indicators. Landscape Indicators Springer Netherlands, p. 193-215, 2011. http://dx.doi.org/10.1007/978-94-007-0366-7_9

POLÈSE, M.; SHEARMUR, R. Why some regions will decline: A Canadian case study with thoughts on local development strategies. Papers in Regional Science, v. 85, n.1, p. 23-46, mar. 2006. http://dx.doi.org/10.1111/j.1435-5957.2006.00024.x

POLETTE, M.; LINS-DE-BARROS, F. Os desafios urbanos na zona costeira brasileira frente as mudanças climáticas. Costas, v.1, n. 1, p. 165-180, jul. 2012. Disponível em: < http://www.cona.cl/noticias/2012/0020costas/Costas-Vol1.pdf#page=171 >. Acesso em: 20 nov. 2015.

ROSSETTO, A. M. et al. Proposta de um Sistema de Indicadores para Gestão de Cidades visando ao Desenvolvimento Sustentável. In:

CONGRESSO BRASILEIRO DE CADASTRO TÉCNICO MULTIFINALITÁRIO. Florianópolis, UFSC, 2004.

SICHE, R. et al. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente &Sociedade, Campinas, v. 10, n. 2, p. 137-148, jul./dez. 2007. http://dx.doi.org/10.1590/s1414-753x2007000200009

STEAD, D. What does the quality of governance imply for urban prosperity? Habitat International, v. 45, n. 1, p. 64-69, jan. 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.habitatint.2014.06.014

STROHAECKER, T. M. Dinâmica populacional. In: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Macrodiagnóstico da Zona Costeira e Marinha do Brasil.Brasília: MMA, 2008.p. 59-73.

SVARSTAD, H. et al. Discursive biases of the environmental research framework DPSIR. Land Use Policy, v. 25, n.1, p. 116-125, JAN. 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.landusepol.2007.03.005

UN-HABITAT. State of the world’s cities 2012/2013: Prosperity of cities. Nairobi: UN-HABITAT, 2012. Disponível em: < https://www.construible.es/images/CONSTRUIBLE/ media/content/20130125-informe-onu-habitat-estado-de-las-ciudades-2012-2013.pdf >. Acesso em: 3 jan. 2015.

UNITED NATIONS. Glossary of environment statistics. United Nations Pubns, 1997.

VARGAS, H. C; RIBEIRO, H. Qualidade Ambiental Urbana: Ensaio de Uma Definição. In: VARGAS, H. C; RIBEIRO, H. (Org.). Novos Instrumentos de Gestão Ambiental Urbana.São Paulo: Ed. USP, 2001.p. 13-20.

VARGAS, H. C; RIBEIRO, H. (Org.). Novos Instrumentos de Gestão Ambiental Urbana. São Paulo: Ed. USP, 2001.p. 13-20.

WONG, C. A framework for ‘City Prosperity Index’: Linking indicators, analysis and policy. Habitat International, v. 45, n. 1, p. 3-9, jan. 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.habitatint.2014.06.018

ZHANG, Y., LIU, H.; FATH, B. D. Synergism analysis of an urban metabolic system: Model development and a case study for Beijing, China. Ecological Modelling, v. 272, p.188-197, jan. 2014. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0304380013004651 >. Acesso em: 20 nov. 2015.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - ISSN 2317-1529 (eletrônico) e 1517-4115 (impresso)

Indexado em: